segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Aprendendo com a vida

A vida segue. Ponto. Dia após dia. E conforme o tempo passa a gente percebe o valor das coisas e o rumo que a gente dá pra nossa vida. Na verdade, a graça está toda aí. A gente escorrega, mas se segura. A gente cai, mas levanta.
Teimamos em dizer que 'a grama do vizinho é sempre mais verde", mas quer saber? Não queira ser dono desse gramado. Cada um sabe o que passa. Toda família, em todo lugar, tem um problema. Costumamos dizer "queria que minha família fosse igual a do fulano". Ledo engano. Mal sabemos o que 'fulano' enfrenta todos os dias. Porque ao sairmos à rua, costumamos vestir um sorriso no rosto e não mostrar o que passamos, mas dentro de casa...
O bacana é se entregar e viver o dia intensamente. Saber discernir o certo do errado, mas se houver trapaça do destino, não se aborrecer, mas tirar proveito, aprender. Assim, de graça, a gente adquire uma experiência gigante, daquela que te faz sentir maduro o suficiente para numa próxima situação você conseguir falar "De novo não!".

3 comentários:

Beto Ribeiro disse...

Olá Nayra!!!!

Sabe... descobri que não existe coisa melhor, do que chegar ou estar bem próximo aos 50, parece que aliamos experiência de vida à vontade de viver muito mais, então, aceitamos bem as tais trapaças do destino, nos colocando muitas vezes de fora, para sentarmos no camarote e esperarmos o desfecho da peça chamada vida. rsrsrs

Adorei seu texto.

Beijo grande e fique com Deus!

Beto Ribeiro.

PS: Passe no Ermitão do Giz, será sempre bem vinda! rsrs

Angela Bergamaschi disse...

é mais pura verdade...bjos

Lulu disse...

Isso aí, amiga!
Todo dia é uma luta... mas como diria o grande compositor "a vida podia ser bem melhor, e será.. mas isso não impede que eu repita: é bonita, é bonita e é bonita"

=)