terça-feira, 22 de março de 2011

Dizer não

Os pais sensatos costumam educar seus filhos dizendo não de vez em quando. Eles sabem que nos primeiros anos de vida de uma criança, quando o caráter e a personalidade estão em formação, dizer não é importante para que mais tarde ela não sofra tanto na vida.

Eu fui criada assim. Minha mãe negava biscoitos antes do almoço e do jantar, por exemplo. O não mais memorável da minha vida me foi dado quando fiz um escândalo numa loja de departamentos, pedindo, implorando e, depois, esperneando, por uma boneca. Mamãe foi duro na queda: não! Ela tinha o dinheiro, mas não comprou por conta da cena bizarra que aprontei e pela vergonha que a fiz passar. Minha avó até tentou convencê-la, mas naquele dia o não foi em caixa alta: NÃO!

Fiquei lá, deitada no chão, chorando e me desesperei quando percebi que a minha mãe não me deu a mínima atenção. Virou as costas e fingiu ir embora. Naquele dia eu aprendi a importância desta palavra. Este episódio nunca mais saiu de minha cabeça. Foi a primeira lição que aprendi na vida. Meses depois, no Dia das Crianças, ganhei a boneca tão desejada. A fascinação por ela não durou muito tempo.

Mesmo assim, sou uma pessoa que ainda tem dificuldades para dizer não. Pode fazer isso para mim? Posso. Pode escrever um e-mail para mim? Posso. Pode passar naquela loja e comprar isso pra mim? Tudo bem. Faz aquele doce? Faço. Me liga amanhã? Ligo. Grava este dvd pra mim também? Gravo. Que mania a minha de dizer sim o tempo todo.

De uns tempos para cá, com um certo jeitinho, tenho aprendido a falar que não dá, não posso, não vou. É uma barreira ainda, mas me sinto melhor. Ninguém tem de fazer algo para agradar ou satisfazer o outro. Se não dá, se não pode, fale. E se alguém diz para você que não, compreenda.

Nesses anos de vida, tenho aprendido que quase todas as vezes que digo sim para alguém, digo não para mim mesma. Por que dizer não para mim é mais fácil? Já passou da hora de perceber que o não de vez em quando não é eterno e se você ficar chateado, perdoe-me, não vou me importar tanto, depois eu gravo o dvd pra você, tá?


Um comentário:

Nadia disse...

As vezes temos que dizer um "não", mesmo que este "não" nos corte o coração, como fou o caso da boneca,naquele dia eu estava lhe ensinando o valor das coisas, na vida nem sempre vamos te tudo com facilidade, vc bem sabe disto. Te amo. Bjs