quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

No ônibus

Andar de ônibus no dia a dia não é tarefa simples. É preciso muito jogo de cintura para driblar os inconvenientes da viagem. Com calor, então, é pior ainda. Você entra no ônibus e percebe que todos os bancos da sombra já estão ocupados e só lhe resta sentar no sol. Ou ainda, ir em pé, com risco de encarar um engarrafamento gigante porque, claro, a Lei de Murphy está aí pra isso, né minha gente?

Então você olha o corredor, escolhe o banco e senta. Pronto. Tentando fugir do sol a viagem inteira, se escondendo na janela e eis que senta alguém do seu lado. Caramba! Com tantos bancos vazios e também no sol, por que a pessoa escolhe sentar logo do seu lado? E para completar, a pessoa, assim como você, também já está suada. Um horror! Ela encosta o braço no seu braço. Você se afasta. Afinal, já basta o seu suor, né não? E a pessoa não se liga. Se for homem é pior. O sujeito geralmente não fecha as pernas direito e senta ocupando, além do lugar dele, metade do seu. Não há humor que resista a isso.

O ônibus começa a ficar cheio. Pessoas já estão em pé e como se não bastassem o calor, o trânsito e a multidão aglomerada, apertada no coletivo, alguém começa a falar alto, a conversar alto, a atender o rádio e por aí vai. Desde que inventaram o celular que toca rádio sem precisar do fone a paz nunca mais existiu nos ônibus. Vira e mexe alguém liga o aparelho e acredita, sem dó nem piedade, que todo mundo tem que ouvir a mesma coisa que ele.

E o rádio, gente? Se tem opção de você ouvir sozinho o que o outro está falando, como num telefone mesmo, por que as pessoas cismam de se comunicar como no alto-falante? "Bip Bip, fala fulano, beleza? Qual é a boa de hoje? Tá sem grana? Se liga na parada...." É o fim dos tempos...

Existe uma lei de etiqueta que poucos respeitam. Não se deve falar alto em público, até porque fica impossível das pessoas não 'participarem' da conversa. E olha, que na maioria das vezes, o que se escuta é muita asneira mesmo. Na hora do rush então... É empregada falando mal da patroa, contando os podres da família dos outros, dizendo que come o presunto e o queijo sim, mesmo quando a patroa não deixa; é funcionário reclamando que não vai fazer mais hora extra porque o chefe não merece; é gente reclamando do motorista que não anda com o 'carro'...Um show de reclamações.

Já experimentou fazer cara feia se algo te incomoda no ônibus? Geralmente a resposta é assim "Ih, eu hein, tá incomodado vai de táxi", já presenciei essa cena várias vezes.

Pior do que pegar ônibus cheio, é pegar ônibus cheio com gente fedorenta já de manhã. Um banho faz bem, galera! E desodorante também...

Uma perdição. Desanima mesmo. Se chove a coisa consegue ficar pior. Porque aqui no Rio o povo acha que chuva é sinal de frio e pode estar o calor que for, todo mundo suando dentro do ônibus, que o sujeito fecha a janela pra não se molhar. Hei, uma chuvinha não resfria...eu hein...E o motorista que deixa, mesmo com o coletivo lotado, subir o carinha da bala? "Senhores passageiros, desculpe incomodar o silência de sua viagem..." Ave Maria...

Andar de ônibus é aventura de muitos. Todo dia é uma emoção diferente.

3 comentários:

Ale Quejinho disse...

Esta foi boa, ainda bem que moro 300m do metro, ainda é opção melhor que onibus, mas tambem dá pra fazer uma crônica do que se vê.
Ale

Angela Bergamaschi disse...

nossa..ja sofri tanto com isso.ainda bem que passou..bjo

Preparada para Casar disse...

Muito bem escrito!!!
Conheci seu blog no site da Bonfá já gostei de cara!!
beijos e parabéns
esse texto vou ter que posta no meu twitter.
beijos
Kênia
@keniafe